Entenda as diferenças entre calvinismo e arminianismo

6 minutos para ler

Se você está caminhando no evangelho, provavelmente já ouviu alguém citar calvinismo e arminianismo. Mas será que você tem uma visão clara dessas duas linhas de pensamento? Neste texto, nosso intuito é oferecer a você uma visão clara desses dois conceitos.

Você vai entender um pouco do cenário histórico que marca a origem dessas duas correntes. Além disso, vai descobrir os pontos principais em que os dois grupos divergem. Achou interessante? Então continue a leitura e confira!

O que são calvinismo e arminianismo?

De forma resumida, podemos dizer que calvinismo e arminianismo são duas doutrinas da salvação, ou seja, são linhas de pensamento que ajudam cristãos a entender o processo de como o homem é salvo por Cristo.

Elas levam esses nomes em referência aos teólogos que defendiam as ideias. Enquanto o calvinismo se baseia nos ensinos de João Calvino, o arminianismo tem base nos pensamentos de Jacobus Arminius.

As duas correntes são conhecidas por terem 5 pontos de crença cada. Na Holanda, os discípulos de Arminius criaram e defenderam os 5 pontos do arminianismo frente ao conselho de igrejas do país. Para que essa nova doutrina fosse analisada, líderes e teólogos se reuniram em 154 sessões, conhecidas como Sínodo de Dort.

Ao final das análises, os líderes concluíram que os pensamentos de Armínio e seus seguidores eram heréticos, ou seja, não condiziam com a verdade bíblica. Por isso, eles formularam um documento de reafirmação do que acreditavam, os 5 Pontos do Calvinismo.

No que as duas correntes diferem?

Agora que você conhece um pouco do panorama histórico do calvinismo e arminianismo, que tal entender a fundo quais as grandes diferenças entre essas correntes teológicas? Como falamos, os 5 pontos estão relacionados à salvação e à liberdade do homem de ir ou não a Cristo. Entenda melhor observando as explicações de cada ponto abaixo.

Vontade livre versus depravação total

O primeiro ponto de distinção é referente à vontade do homem para escolher ou não a Deus. Segundo os ensinos de Armínio, cada pessoa tem livre arbítrio para escolher seguir a Deus ou não. Sendo assim, para ser salvo, é o homem que deve se movimentar em direção a Cristo.

Em contraste, o calvinismo prega a depravação total, uma teoria que afirma que o homem é caído e escravo do pecado. Em Romanos 3:2, por exemplo, lemos que “todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus”. Dessa forma, o ser humano é incapaz de buscar a Deus por vontade própria, precisando que Deus aja em sua vida para que ele creia em Cristo.

Eleição condicional versus incondicional

Em Efésios 1:4-7, Paulo escreve:

Como também [Deus] nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor; e nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade, para louvor da glória de sua graça, pela qual nos fez agradáveis a si no Amado, em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça, […].

A eleição é uma questão que está na Bíblia, mas recebe diferentes interpretações segundo calvinismo e arminianismo. Para o arminianismo, Deus elegeu para salvação aqueles que Ele sabia que aceitariam a salvação. Sendo assim, trata-se de uma eleição condicionada à ação do homem, que somente precisa ter fé para ser salvo.

Já para a doutrina calvinista, Deus escolhe entre os pecadores aqueles a quem Ele quer regenerar e salvar, para que a glória dEle seja manifestada. Dessa forma, a eleição não está condicionada à vontade do homem, mas a de Deus.

Expiação limitada versus ilimitada

O termo expiação está relacionado à redenção que Cristo proporcionou na cruz. Para os arminianos, a expiação foi ilimitada, ou seja, serviu para salvar a todos. No entanto, esse pensamento implica que aqueles que não aceitaram a Cristo tornaram a morte dEle um fracasso, já que não serviu para a salvação dos que não a desejam.

Isaías 53:11 diz que “Ele verá o fruto do trabalho da sua alma, e ficará satisfeito; com o seu conhecimento o meu servo, o justo, justificará a muitos; porque as iniquidades deles levará sobre si.”

Sendo assim, o sacrifício de Jesus não seria desperdiçado, em vez disso, seria totalmente satisfatório. Segundo o calvinismo, trata-se de uma expiação limitada (ou definida), voltada para as pessoas que Deus já havia elegido segundo sua própria vontade. Dessa forma, sua morte teve total sucesso ao resgatar muitos da condenação.

Graça resistível versus irresistível

Efésios 2:8 afirma: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus”. Sendo assim, a salvação pela graça é uma doutrina bíblica. No entanto, será que o homem pode recursar a graça de Deus em sua vida?

Calvinismo e arminianismo também divergem nesse ponto. Para arminianos, o ser humano pode resistir à ação do Espírito Santo em sua vida, ou seja, escolher não ser atraído por ela para a salvação em Cristo. Sendo assim, para ser salvo, primeiro o homem precisa escolher ir em direção a Deus e depois aceitá-lo.

Entretanto, se o homem é caído em pecado (depravação total), como ele pode ir voluntariamente em direção a Deus? Para os calvinistas, primeiro Deus age nos eleitos, mudando sua orientação pecaminosa. Apenas assim o homem consegue ter fé e ser atraído de forma irresistível pela graça de Deus.

Queda da graça versus graça preservadora

Outro dos pontos em que calvinismo e arminianismo têm visões diferentes é em relação à possibilidade da perda de salvação. Para o arminianismo, um homem pode deixar de ser salvo caso peque e não se arrependa e não persista nas boas obras.

Já o calvinismo entende que, já que todo processo de salvação é uma ação divina, uma pessoa não pode fazer nada para ser salva ou deixar de ser. A doutrina usa o termo “perseverança dos Santos”, que mostra que aqueles a quem Deus escolheu vão perseverar na obra que Ele mesmo começou. Eles não estão isentos de pecar, mas vão se arrepender pelo amor que têm a Cristo.

Como você viu, calvinismo e arminianismo são doutrinas cristãs, no entanto, discordam nesses pontos. Para escolher uma linha de pensamento, sugerimos que você faça sua própria leitura da Bíblia e peça ao Espírito Santo para dar entendimento sobre o assunto.

Se você ainda tem dúvidas sobre o modo certo para estudar a Bíblia, leia nosso outro artigo sobre esse tema.

Posts relacionados

6 thoughts on “Entenda as diferenças entre calvinismo e arminianismo

  1. Deus não tem prazer na morte de ninguém ele veio para todos a sua palavra e clara tudo está sobre seu controle não seria do feitil de Deus vim só para alguns não tem lógica e Deus nos chama sim através do seu Espírito santo para nos arrepender e buscá-lo como também temos dentro de nós o desejo de buscá-lo seja lá de qual forma o Espírito santo está em nós ele mesmo disse isso antes de subir aos seus voz deixo o consolador . Minha opinião paz

  2. Conteúdo interessante, apenas achei um pouco tendencioso, não deixando que o leitor conclua por si só, sobre qual linha doutrinária e teológica ele mais se identifica, pois os textos não apenas expõe as divergências entre as duas vertentes, como indica que rejeita a visão arminiana.
    Infelizmente, pecaram nesse ponto, pois pode-se achar conciliação entre os dois pontos de vista, se levarmos em consideração que há muito a se observar, tradução imprecisa das escrituras é um exemplo, tem muitos outros pontos se considerar, e na verdade as visões pode até se fundir em alguns dos casos, e subsistir em a luz da bíblia.
    No demais, o artigo é útil.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.